Interesse pela arte deve ser estimulado no primário; saiba o que as escolas podem fazer

4934.jpg

O interesse pela arte deve ser incentivado na escola primária, logo no início do desenvolvimento da criança. Infelizmente, a maioria dos professores não tem tempo para montar um currículo de arte abrangente por conta própria. Mas se todos trabalharem juntos e compartilharem ideias, é possível criar algo que valha a pena. Há uma série de pequenas melhorias que podem fazer toda a diferença e vamos falar sobre elas hoje.

Procure projetar lições que se baseiem em aprendizagens anteriores, possam ser conectadas a um contexto mais amplo (histórico ou geográfico, por exemplo) e ofereçam oportunidades para desenvolver a alfabetização visual. Os professores podem ajudar as crianças a pensarem criticamente sobre imagens, fazendo perguntas abertas e fechadas, e dando a elas frases iniciais como uma maneira de falar sobre arte. Por exemplo, "Eu gosto do jeito que o artista tem..." ou "Nesse trabalho eu posso ver..." O mais importante é garantir que o assunto seja amplo e inclua artistas cultural e etnicamente diversificados. As crianças precisam entender que a arte é feita por todos os tipos de pessoas, de várias maneiras, e devem se sentir representadas pela arte e pelos artistas aos quais estão expostos.

Para não precisar criar um currículo de arte a partir do zero, é possível fazer uso de outros tópicos que já estão sendo ensinados na escola. Por exemplo, uma lição de história sobre a segunda guerra mundial poderia ser usada para aprender sobre artistas como Henry Moore, Gonçalo Mabunda ou Laura Knight. Links podem ser feitos para aulas de ciências e matemática também. As crianças mais novas poderiam observar o uso de formas em obras de arte, como as de Paul Klee, ou aprender sobre o ilustrador científico, um dos primeiros a mostrar o ciclo de vida completo de um inseto. A internet facilita a localização de artistas com links para vários tópicos.

Existem muitas grandes obras de arte com narrativas fascinantes e simbolismos. Se você puder fazer referência à arte, garantindo que as crianças estejam aprendendo uma habilidade ou técnica artística e tenham a oportunidade de expressar suas próprias ideias, você estará proporcionando uma experiência de arte bastante completa.

Para as escolas que acham difícil dedicar uma hora por semana à arte, os professores ainda devem tentar inserir pequenas explosões de criatividade no dia. As aulas pequenas (de 10 a 30 minutos) podem incluir olhar para uma obra de arte e discuti-la, praticar habilidades de desenho ou desenhar livremente. Tais atividades são fáceis de entregar e melhores do que nada quando o horário é apertado. É claro que isso não deve substituir completamente as aulas de arte mais longas - trabalhar por um tempo constante em empreendimentos criativos vale sempre a pena.

Historicamente, muitos artistas foram forçados a usar materiais alternativos devido à falta de fundos, e isso poderia ser uma fonte de inspiração para lidar com os custos baixos. O artista Abdulasis “Aziz” Osman começou a pintar em caixas de cereais, por exemplo, e Jean-Michel Basquiat pintou em portas e pneus antes de ganhar dinheiro com arte. Se o espaço permitir, tenha um ponto de coleta de papelão e outros itens “inúteis” em sala de aula. Papelão pode ser cortado e usado como tela para pintar, como um espalhador de cola, como material de escultura ou como paletes para misturar tinta. Ao aprender sobre arte rupestre, as crianças podem até usar lama, gravetos e folhas para pintar.

Por fim, peça às crianças que criem formas de fazer arte com um orçamento apertado – quem sabe não veremos o nascimento de um novo artista?