fbpx
Cultura Maker na escola

A evolução do ensino, os novos caminhos para o engajamento em sala de aula – conheça alguns motivos para aplicar a cultura maker

 

Este exercício é bastante interessante quando se faz uma reflexão sobre motivos para aplicar a cultura maker na sua escola. Para isso, é fundamental que você feche os olhos e use a imaginação.

Que tal lembrar como era a sua sala de aula, quando você estava nos primeiros anos do que hoje chamamos de ensino fundamental? Aliás, tente ir um pouco além: como foi a escola e a disposição de um dia de atividades na escola de seus pais?

Já reparou que, praticamente por um século, a ideia de escola, ensino, aula e tarefa permanece intacta? Cadeiras enfileiradas, um professor à frente e alunos atentos à transmissão de conhecimentos.

O que este artigo do blog do MundoMaker vai tratar é: o mundo mudou e, dessa forma, o processo educacional também deve acompanhar essa evolução.

O que é Cultura Maker?

Em linhas gerais, para falar sobre aplicar a Cultura Maker na sua escola, é preciso voltar a temas mais conceituais. Você pode ler um conteúdo mais completo aqui!

Trata-se de um movimento cultural que é focado no lema do faça você mesmo (do inglês Do it yourself), em que as pessoas acreditem e coloquem em prática suas próprias iniciativas – manuais, tecnológicas e ferramentais.

Enfim, que o ser humano crie e compartilhe projetos próprios, buscando solucionar demandas suas e de toda sociedade.

É uma onda mundial, que ganhou incentivos de peso, de nomes como o ex-presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Aplicar a Cultura Maker na sua escola

Implementar as práticas da Cultura Maker nas rotinas escolares, significa estruturar um ambiente de constante incentivo e estímulos a processos criativos e de inventividade.

São atividades compartilhadas, onde os alunos serão convidados a serem protagonistas dos próprios caminhos na vida estudantil.

Na prática, isso significa trabalhar, ainda, outros pilares fundamentais, como:

Mindfulness

Os caminhos a serem seguidos são previamente traçados e metalizados, de formas construtiva e assertiva.

Socioemocional

Sobre as tão faladas habilidades socioemocionais, a cultura maker é responsável pela interação com várias, como trabalho em equipe, planejamento, pensamento crítico, respeito, resiliência e, é claro, criatividade!

Habilidades manuais e tecnológicas

Quando se fala em Cultura Maker, às vezes, existe uma visão equivocada de que estamos nos referindo a atividades 100% manuais ou, então, totalmente de apelo tecnológico. É importante entender que, nesse ambiente, há o incentivo para um uso compartilhado do melhor dos dois mundos.

Existe sim, uma estrutura ferramental e até elétrica focada em atividades manuais. Mas, também, existe o suporte tecnológico, com soluções e softwares voltados para novas experiências e até modelagens 2D e 3D.

São novos caminhos, responsáveis por estruturar uma evolução nos processos educacionais. Aplicar a cultura maker na sua escola é sobre isso.

Gostou do material? Acesse o nosso site para conhecer essas soluções em detalhes.

 

Recommended Posts

topo